30 setembro 2008

Professor, uma profissão com futuro

Actualmente, quem sai de uma universidade habilitado para o ensino fica a ver canudos. Mas segundo a UNESCO serão necessários mais 18 milhões de docentes. Boas notícas portanto.
A escassez de professores qualificados continua a ser um problema crucial. Para se atingir a meta de universalização do ensino primário até 2015 precisa-se de professores.
A escassez é particularmente grave em África, onde são precisos mais 3,8 milhões de docentes para atingir esse objectivo, afirma a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).
Os baixos salários, as salas de aulas superlotadas e a formação inadequada são alguns dos problemas que afectam os professores, diz essa instituição.
Portugueses, aprendam línguas e continuem a saga: emigrem.

As drogas que vêm da China

A falsificação de medicamentos é um negócio altamente lucrativo, estimado em 45 mil milhões de euros. Ou seja, 10% do volume mundial de medicamentos - menos de 1% nos países desenvolvidos e mais de 40% nos menos desenvolvidos.
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um medicamento falsificado é aquele que está etiquetado indevidamente. Pode ser de marca ou genérico, e a falsificação vai do alterar a composição até ao não conter nenhum princípio activo.
Grande parte dos falsos remédios são produzidos na China.
Em Espanha, segundo o El País, a guardia civil apreendeu perto de 2 milhões de medicamentos. Em Inglaterra foram apreendidos quase 20 mil quilos de comprimidos.

Valores éticos

A crise é lixada. E quando se descobre alguma careca as fotografias desatam a tremer como varas verdes. Não é bonito ver-se a desproporção entre o vencimento e a renda de casa. E não o é num país onde há tanto rendimento social de inserção e onde os salários são baixos.
Que a situação não cria «problemos éticos» já sabíamos. Se criasse há muito teria prescindido da casa. E mostra bem como o «serviço público» é quase sempre entendido como «venha a nós o vosso reino».
Sinopse: «A vereadora do PS responsável Acção Social da Câmara de Lisboa, que até ao final do ano passado pagava 146 euros de renda à autarquia por uma casa de duas assoalhadas no centro da cidade, na Rua do Salitre, tem uma reforma de cerca de 3350 euros. Ana Sara Brito deu ontem uma conferência de imprensa para explicar uma situação que durou 20 anos e que "nunca pôs em causa" os seus "valores éticos". É por isso que não se demite: "Continuarei, apesar de alguns não o desejarem, com a mesma determinação, a trabalhar de acordo com o programa eleitoral."»
Que determinação é essa? A gente calcula.

Uma aspirina, please


-Daqui Hubble. Não me 'tou a senti' lá muito bem... bzz... bzz...

-Daqui Terra. Já vamos mandar um cardiologista aí Hubble. E de febre como estamos?

-Bzz... Bzz...



O problema agora detectado impossibilita o Hubble de formatar ou armazenar dados dos seus instrumentos e transmitir informação para a Terra.

Tranquilidade... tranquilidade...

Seguro, mas como? se há anos que ter dinheiro no banco é a mesma coisa que descpitalizá-lo, pois entre os juros que o banco paga, os impostos que o Estado cobra e a inflacção, o dinheiro vai perdendo valor.
As poupanças dos portugueses desbarataram-se e o governo deu uma ajuda preciosa, acabando com os certificados de aforro. Estamos a falar de classe média, baixa ou remediada. Estamos a falar de quem vive do salário ou da reforma. Estamos a falar de pequenas quantias de que os mais velhos e previdentes nunca abriram mão.
Os outros sim, devem andar aflitos, pois a bolsa tão estimada dá-se mal com a montanha russa que a economia americana exporta com voracidade. Mas para esses há outras garantias e Sócrates é amigo de quem joga. Não há grande empresa que não goste de Sócrates. Portugal ainda é um paraíso para as grandes empresas. Os salários são baixíssimos, as regalias miseráveis, os direitos diminutos.

A fantasia da medicina

Gostamos muito de médicos. E gostamos muito de notícias. Às vezes dá-se o caso de serem notícias sobre saúde e de as lermos entre o espanto e a fúria. Porque já nos aconteceu ir ao médico e falar-lhe de certo tipo de doença e o médico desviar o assunto para canto.
É muito bonito vir com notícias como a de hoje no Público, sobre os pés das crianças, quando a maior parte dos médicos parece estar a milhas do assunto. Desde pediatras a médicos de clínica geral. Vai-se lá, diz-se: O meu filho tem os pés assim e assado. Veja. E ele diz: Isso não é nada, um pouco de creme gordo e passa. Claro que não passa. O creme gordo pouco mais faz do que atenuar ligeiramente o problema.
Sendo assim, antes de vir com notícias alarmistas, seria bom saber se os médicos estão alerta. Se já receberam formação sobre o assunto. E só então divulgar. Caso contrário parece banha da cobra.
Não é a primeira vez que a Associação Portuguesa de Podologia faz as suas campanhas. Mas conviria que as fizesse primeiro junto da própria classe.

29 setembro 2008

A cadeia e a magia


O Presidente dos EUA recebeu esta foto e julgou que era uma declaração de amor. Deitou-a fora. Oito dias depois o seu país morreu.

Um homem recebeu esta foto e encaminhou-a imediatamente. Surpreendentemente, ganhou a lotaria.

Alberto Martinez recebeu esta foto, entregou-a à sua secretária para que encaminhasse cópias, mas ela esqueceu-se de remetê-las, encantada com a imagem erótica que o seu namorado lhe tinha enviado e era tal e qual a do patrão. Ficou desempregada e perdeu a família.

Esta foto é milagrosa e sagrada, não se esqueça de encaminhá-la a 20 pessoas, dentro de 13 dias. Não se esqueça de encaminhá-la e terá uma grande surpresa!

Para que servem os serviços secretos?

Para fazer filmes muito giros, com gajas boas e muito muito dinheiro. (Espião e glamour são quase sinónimos no imaginário das gentes.)
Sim, mas tirando a ficção, para que serve realmente um serviço de espionagem num país democrático?
Ora, para vigiar músicos e ver se são obscenos ou não.
Que dois ou três empresários façam negócios com dinheiros públicos não incomoda ninguém. Já uns rapazes dos subúrbios incomodam muito mais. Ai se Luís XVI tivesse um serviço de espionagem... certamente teria morrido com a cabeça em cima dos ombros.
Veja-se como o sucesso estrondoso dos Beatles e a atenção mundial que conquistaram fez com que os serviços secretos se interessassem por eles. Embaixadas e diplomatas enviavam informações para Londres. Polícias recolhiam declarações para serem incluídas em relatórios secretos. Funcionários das finanças controlavam à libra todas as contas bancárias dos músicos britânicos.
O que foi do passado dá-nos pistas sobre o que fazem o espiões do agora. Nada sabem sobre crises económicas (elas caem na sopa de ricos e pobres, embora sejam estes últimos que geralmente ficam sem sopa). Mas sobre literatura, arte e música parecem saber muito. Depois das notícias sobre o modo como a CIA trabalhava com escritores ou de como os serviços secretos ingleses seduziam e arrebanhavam escritores, temos agora a informação de que gostavam muito dos Beatles.
Os Beatles eram uma ameaça para o país de S. M., hã? E por cá, em terras da banana, quem será uma ameaça? Tony Carrera? Marco Paulo? Emanuel? Lili Caneças?

Agora o que me apetecia mesmo era um chocolate

Esse desabafo é, actualmente, um perigo. Porque:
a) O chocolate tem muitas calorias.
b) O chocolate faz muito mal aos dentes.
c) Pode conter leite chinês.
Se escolheu a opção certa, saiba que uma barra de chocolate é muito saborosa, sobretudo se quem a come adora chocolate e se a empresa que o produz usa manteiga de cacau na sua confecção.

Queixinhas! Queixinhas!

Chegaram como chega um messias, com a certeza da boa nova. Chegaram, arregaçaram as mangas e desataram à bordoada: os professores assim, os professores assado. Para baixo é que era caminho.
Depois, a pouco e pouco, com a poeira no ar, deram a volta ao prego e o que era do piorio tornou-se excelente. Mais: o senhor Pinto de Sousa não hesitou em mostrar ao país que a retórica dele e do partido dele é o segredo de tudo. Mudaram em dois anos o que não se mudara em gerações.
O povo, claro, estúpido como é, só estava à espera que o senhor Pinto de Sousa falasse e revelasse segredos tão bem guardados. Agora que já os sabe e que tudo mudou em Portugal, pleno emprego, salários de nível europeu, nível de vida excelente, o país acorda para o mal-estar nas escolas. Mal-estar? Essa gente não quer é trabalhar. O ideal era ter as escolas abertas 24 horas por dia. Assim, os pais já podiam estar sossegados em suas casas e os filhos ocupados na escola. E os professores já não se queixavam. Queixinhas. Só porque se andam a vigiar uns aos outros e a prepararem-se para emigrar para a velha e burocrática URSS.

Ano da sorte ou desgraça certa?

Afinal, apesar da hora, do dia, do mês, do ano, a China não tem sorte. Milhões em propaganda olímpica e vem o leite estragar tudo. Ao leite juntam-se brinquedos e... medicamentos.
O alerta já está dado. Diz o Infarmed que há cidadãos em Portugal "a correr sérios riscos de saúde" por consumirem medicamentos contrafeitos.
Donde vêm os medicamentos, digam lá. Acertaram. Da China. E também da Índia.
Ao que parece quem tinha impotência sexual ou queria emagrecer recorria à «medicina tradicional», ou seja, às velhas histórias da magia chinesa (ou indiana). Mas a pica pelo oriente foi-se estendendo a outras áreas (por exemplo, à oncologia, cardiologia, neurologia) e agora os perigos são elevados. Os medicamentos são falsificados e os riscos grandes.
Os medicamentos contrafeitos chegam através de encomendas postais.

Outros livros, outros autores

Thomas Bernhard sempre achou os seus compatriotas um tanto ou quanto nazis. E sempre foi muito crítico relativamente ao país onde cresceu e se formou.
As eleições confirmam o que era opinião de uns poucos escritores.
A extrema-direita deu um grande salto nas legislativas antecipadas de ontem na Áustria, segundo os resultados oficiais divulgados ao início da noite.
Caso para dizer, os austríacos são teimosos.

Incendiar por causa de uma história

Quanto maior é o atraso civilizacional de um povo mais recorre à violência. Nós, portugueses, que levamos tudo muito a peito, sobretudo nas pequenas coisas, somos quase irmãos dos fundamentalistas islâmicos. Que por dá cá aquela palha partem logo para a guerra santa: queimam, apedrejam, assassinam (o menu é extenso, mas nós somos muito pudicos e não transcrevemos aqui o rol das atrocidades de que são capazes).
Lembram-se de um livro que por cá foi recusado pela Porto Editora (por questões meramente literárias, claro)?
Por causa desse livro já começou a brincadeira.
A casa do dono da editora independente Gibson Square que se propôs publicar o controverso “The Jewel of Medina”, foi alvo de uma tentativa de fogo posto no sábado de manhã, em Islington, norte de Londres.
Os donos da Porto Editora podem dormir descansados. O livro não presta e eles só publicam livros bons.

28 setembro 2008

Pão nosso de cada dia

Ele bebia e, de vez em quando, perdia a cabeça, mas sempre a encontrava. Um dia resolveu matar a mulher e não esteve com meias medidas: foram três (3) facadas.
A mulher apareceu a correr pela rua, já em chamas. "Era uma autêntica chama humana", disseram as testemunhas, com lágrimas nos olhos. Tinha 36 anos, era casada e mãe de um filho.
Com uma faca de cozinha o homem começou a esfaqueá-la no corpo e a agredi-la com violência. Acabou por violá-la. Eram amigos. Ela apenas queria desabafar com uma companhia masculina.

Médicos em Portugal

Segundo números da Ordem dos Médicos, há 4287 clínicos estrangeiros a exercer medicina no nosso país.
Dos 38.538 médicos que exercem em Portugal, 300 são oriundos da América do Sul. Do Brasil vieram 600. Mas chegam também da União Europeia (2583), dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (261), da Europa não Comunitária (378), da África não PALOP (33), da Ásia (42), da Austrália (um) e da América do Norte (19).
E vêm aí mais.
Curiosamente, Portugal continua a mandar para fora centenas de estudantes de Medicina: Espanha, República Checa, Reino Unido, França, EUA. Isto para não falarmos das centenas que todos os anos ficam fora por décimas.
Portugal é um país engraçado.

Os cientistas são bruxos?

Em 2060 o Verão terá a duração de seis meses? Segundo uma notícia, sim. Mas previsões são previsões e às vezes assentam no muito que não se sabe.
Pode ser que sim, que o Verão seja assim extenso ou pode ser que não. Afinal, este ano o Verão foi mais curto do que o costume, embora as previsões dissessem o contrário.

27 setembro 2008

Álvaro Lapa (1939-2006)






Álvaro Carlos Cardoso Diniz Lapa (1939-2006)

Rui Caeiro



Os que possuem um gato pensam que possuem um gato. Que nada. Podiam ser donos do mundo que sempre os gatos ficariam de fora: calmos, desinteressados.

49 espinhas para um gato, edição do Autor, 1997

Tens direito a escrever o que ninguém diz. O que ninguém diz por ti porque só tu sabes - pensas que sabes. E tens que escrever o que já está mais que dito - mas tu não sabes onde nem como.
(Tens que escrever com o desembaraço de um rufia a cuspir fininho ou como um pombo que caga sobre a cabeça do transeunte).

O Toureiro de Deus, edição do Autor, 1998

[O que é isto?]
É a poesia dos que não descobriram a Índia, nem ficaram desempregados, nem escreveram a Ode Marítima - nem estão particularmente contentes com a poesia que lhes coube em sorte?
(E menos ainda com aquela que souberam inventar)

O que é isto?, edição do Autor, 1995

26 setembro 2008

A terra do planeta


A Terra tem 4,6 mil milhões de anos. Encontrar restos da crosta original, a maior parte da qual foi esmagada e reciclada no interior do planeta várias vezes, é um grande achado.

Ao longo do tempo, as placas continentais e oceânicas afastaram-se, embateram, foram sendo produzidas através da actividade vulcânica e desapareceram. Ao mesmo tempo produziram oceanos, montanhas, mares, esculpindo a forma do planeta.

As rochas mais antigas da Terra encontram-se ao largo da Baia de Hudson (Canadá). Têm 4,28 mil milhões de anos.

Até agora, eram apenas conhecidas rochas com 4,03 mil milhões de anos, no afloramento rochoso de Acasta Gneiss nos Territórios de Noroeste do Canadá.

A nova descoberta faz recuar em 250 milhões de anos a data da crosta mais antiga que se manteve estável.

Wario Land: Shake It (Para graúdos ou nem por isso)

25 setembro 2008

Menino azul: novos episódios

Uma empresa ajudou financeiramente uma mulher. Por causa de uma criança. E aquilo que parecia uma banal história de solidariedade transformou-se numa macacada de série B. Porque a mulher acabou acusada pela empresa de vigarice. Ao que consta depois dessa mesma empresa ter subordado alguém da confiança da mulher para lhe roubar os documentos que comprovavam que o dinheiro recebido tinha sido aplicado no tratamento dos problemas da criança (Síndrome de Alagille e Tetratologia de Fallot), que ficou conhecida como Menino Azul.
A tal pessoa de confiança, que lhe roubou a documentação, diz ter recebido 25 mil euros da empresa de limpezas. Quanto dinheiro a empresa deu à senhora não sabemos, nem interessa. Mas importa saber que a empresa a meteu em tribunal e exigiu o reembolso dos montantes oferecidos (acrescido de juros? é bem provável que sim).
Os desatinos da mulher não se ficaram por aí. Diz ela “O povo tentou matar-me. Cuspiram-me na cara. Rasgaram-me os cheques do correio e fiquei sem dinheiro para comer. O Emanuel só comeu com a ajuda de vizinhos. Ninguém se preocupou com o meu filho, que ia tendo um ataque do coração, quando fui perseguida e pensei que me matavam”.
O comportamento do povo português sai mal no retrato, mesmo que o depoimento revele contradições. Pior ainda sai o homem que, cheio de remorsos, veio agora dizer que aquilo que disse era mentira.
Depois de cumprir pena de prisão por ter passado um cheque sem cobertura, diz que foi “fraco” e que agiu “por dinheiro”. Além dos documentos que tirou à mãe do “menino azul” para esta não os poder apresentar e defender-se das acusações, roubou-lhe ainda o passaporte, pois era a única prova de que tinha estado nos EUA. Afirma-se “arrependido” e diz que prefere ir novamente preso do que viver com “o peso na consciência” de ter estragado a vida “à melhor mãe que Portugal tem”. “Pensei várias vezes em suicidar-me. Prefiro morrer a ter de viver com o remorso de fazer isto ao Emanuel”.
Qualquer semelhança entre isto e uma telenovela é pura coincidência.

Dias de Melo no Fiat Lux


Dias de Melo e Manuel Franciso Costa


Gostávamos de ter sido nós a fazer o que fez o Fiat Lux. Uma bela homenagem a Dias de Melo.
O Pico e as suas gentes. Um pouco da alma dos Açores. E que alma.

Humor negro

Gordura é formosura


Os eurodeputados não têm mais nada que fazer? Será que com tanto dinheiro não há ninguém que lhes diga que não é pelo que comem na escola que as crianças engordam? Será que não percebem que o sal dá sabor aos alimentos e que o açúcar é importante na confecção de alguns? Quanto às gorduras, porque é que têm tanto medo delas? Por alguma razão os seres humanos são omnívoros.

Esta mania de querer meter o bedelho na vida privada das pessoas já cheira mal. Se querem tanto que as pessoas sejam elegantes, que digam a verdade. A verdade dos estudos que indicam que o bem-estar é indissociável de bons salários. Que são os bons salários que permitem uma alimentação saudável e a frequência de ginásios e o turismo e outras tantas coisas.

Em vez de se preocuparem com a alimentação das escolas, preocupem-se em elevar o nível de vida das populações dos países da comunidade europeia.

Os anjos não consomem, logo não fumam

Almas cândidas tendem a pensar que a indústria se rege pelo angelismo. Senão veja-se o tom da notícia.
Qual é o espanto? Porque não investigam quanto pagam as marcas de refrigerantes, as grandes cadeias de fastfood, as marcas de automóveis and so on?
O cinema influi nas almas cândidas e se calhar há excesso de almas cândidas. Mas isso só mostra o poder encantatório do cinema.
Saber que se gastavam fortunas a promover cigarros nos anos de 1930 a 1950 é interessante. Mas o que nós todos gostaríamos de saber é quanto ganha uma estação televisiva por 20 minutos de spot publicitário que introduz a cada 15 minutos de um filme (que já pode estar cheio de mais publicidade). É que se há poluição que irrita o cidadão comum é essa.

24 setembro 2008

Wolfgang Mitterer pelo Pierrot Lunaire Ensemble Wien

Problemas da crítica

Porque será que as pessoas que dirigem instituições reagem sempre muito mal às críticas? Porque temos uma cultura de elites pobres? Porque durante séculos a censura reprimiu a crítica?
Quando alguém critica fá-lo porque não tem mais nada que fazer ou porque deseja que aquilo que critica seja rersolvido?
E porque será que os dirigentes são capazes de criticar serviços como o dos telemóveis, da internet, dos telefones, da televisão por cabo, da gasolina e quando se trata das instituições onde estão se tornam agressivos senão mesmo vingativos?
Será que a escola educa para a cidadania e para a responsabilidade ou apenas está a criar uma massa acrítica, indolente e incapaz de perceber a finalidade da educação?
Alguns dos alunos medíocres de agora chegarão a dirigentes. Tal como alguns de agora foram e são medíocres, incapazes de ver para além do próprio ego.
A mediocridade é muito democrática. E cada vez mais premiada. Porquê?
Para que pessoas como Maria de Lurdes Rodrigues possam fazer propaganda abertamente? Para que Sócrates possa entender a educação como a entrega de máquinas?

Gato escondido com rabo de fora?

Estamos tão habituados a sentir que as coisas são tortuosas que perante bombas deste calibre a comichão atrás da orelha se torna insistente.
Talvez seja mesmo vontade de cobrar os montantes em dívida... ou talvez seja sobretudo um modo de pressionar o governo a parar diplomas legais.
A notícia fala em 744 milhões de euros de dívida. Quantos hospitais devem e que quantias não se sabe. Sabe-se tão-só que apenas acontece com hospitais públicos. Os privados pagam tudo. Mas por que tem tudo isso o sabor a nada, quando se lê, em jeito de quem não quer a coisa, que o presidente da Apifarma voltou a levantar a questão dos medicamentos em unidose, alertando para o risco da contrafacção e da manipulação das embalagens originais. "Com a unidose vamos pôr a raposa no galinheiro".
A mim cheira-me a pressão. Do tipo: ai querem guerra, então tomem lá. Os próximos tempos nos dirão se o governo recua ou não quanto às unidoses. Então saberemos se a bomba largada pela Apifarma teve o resultado pretendido.

Dias de Melo, escritor açoriano


Nasceu no dia 8 de Abril de 1925. Morreu no dia 24 de Setembro de 2008. Talvez por gostar dos meses com trinta dias. Talvez por ter vivido sempre entre o mar e a terra, apurando uma obra redonda, onde a emigração, a baleação e a Ilha do Pico eram recorrentes.

Dias de Melo escreveu muito. Realce-se o modo terno como falou sobre os socialmente desprotegidos e as vítimas dos diversos poderes. Ou refira-se a importância que têm nos seus livros o mar, o clima e a natureza sísmica do arquipélago.

Nasceu no Pico. Morreu em S. Miguel. Pedras Negras, Mar Rubro, Mar pela Proa, Vida Vivida em Terra de Baleeiros, Memória das Gentes são alguns dos títulos da sua vasta obra. Romance, conto, poesia, crónica.

Powered by Intel!!!


23 setembro 2008

Este Metano quer tratar-nos da saúde

Era uma vez um planeta onde o CO2 era rei e senhor. Um dia, o primo Metano fartou-se de ser relegado para segundo plano e pôs-se a cuspir perdigotos no oceano. Os cientistas, pff, pff, enjoados com o cheiro, ficaram alarmados:
-Metano à vista!
O metano é 20 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono, enquanto gás de estufa, e muitos cientistas temem que esta libertação possa acelerar o aquecimento global numa reacção em cadeia gigante. O metano atmosférico causa um aumento das temperaturas que, por seu lado, aceleram o descongelamento da capa de "permafrost" que, em consequência, liberta mais metano para o ar.
O "permafrost" é o tipo de solo do Ártico, composto por terra, gelo e rochas congeladas.
Os depósitos de metano sub-aquáticos estão a ser libertados para a superfície sob a forma de bolhas de ar na região do Ártico, há medida que a região aquece e o gelo recua.
A Sibéria ainda corre o risco de se vir a tornar um paraíso de férias. E lá estará a imagem desse barbudo em frente ao pelotão de fuzilamento, que julgou que morria e acabou por se tornar um dos grandes prescrutadores do barro humano.

A mania - Rastro de Madrid (cenário recorrente do Salón)

Trapiello enquanto crítico de arte e fumador

Publicidade a La Manía, de Andrés Trapiello

A literatura portuguesa de agora por onde anda?

Com algum atraso Portugal chegou à modernidade. Com algum atraso a geração de 70 falou dessa modernidade. Com algum a atraso o crime entrou no nosso quotidiano. Com muito espanto a nossa literatura continua a viver num tempo que não se sabe muito bem onde fica.
Um bom naco de prosa, susceptível de inspirar um humorista:
«Estava evadido da cadeia. Actuava sozinho e com rapidez. Como disfarce usava um capacete com riscas e para fugir um motociclo. Durante meses assaltou farmácias, tendo ficado conhecido como o "solitário das farmácias". Foi detido na sexta-feira, pela Polícia Judiciária (PJ), num hotel de Santo Tirso, e reencaminhado para o estabelecimento prisional de Paços de Ferreira.»
A sinopse de um conto. De um romance.
Aos 27 anos, já sabia tudo de posse ilegal de arma, condução sem habilitação legal e tráfico de estupefacientes. Quando foi preso, preparava-se para acender mais um charro. Era um bom rapaz. Nunca matou ninguém e o horário dos assaltos coincidia sempre com períodos mortos. Mas era um esteta. Para além do uso do capacete com riscas que o caracterizava, ficou conhecido por levar apenas notas das caixas registadoras e por actuar sem fazer alarde, com grande rapidez e eficácia.
Fosse ele menos dado às belas letras e belas artes e ainda agora podia estar no hotel a ver televisão, enquanto destapava o porro.

Mãe porca amamenta tigres bebés

O insólito foi registado num zoo privado no sul da Ucrânia: uma porca amamenta crias de tigre.

Portugal e Finlândia: modelos e festas

Sabemos, depois de Sócrates, que a Finlândia é o país em que Portugal se revê. Tudo nos aproxima, o clima, a proximidade geográfica, a história, a cultura, a classe política.
Agora surgem notícias animadoras: um rapaz matou nove pessoas num liceu. Já no ano passado, 7 de Novembro, outro estudante mandara oito para os anjinhos, no liceu finlandês de Tuusula, em Jokela (norte de Helsínquia), antes de se suicidar. Uma festa, portanto.

22 setembro 2008

Damien Hirst, dias depois

Nacido en 1965 en Bristol y criado en Leeds en un ambiente difícil, Damien Hirst demostró pronto su facilidad para aprovecharse económicamente del arte. Su amor por el dinero le ha colocado a menudo en el centro de la polémica (....)
Sunday Times revelaba ayer que los 140 millones de euros recaudados no fueron exclusivamente fruto de las pujas espontáneas de ávidos coleccionistas. Amigos y socios del artista contribuyeron con sus considerables ofertas a elevar las cotizaciones de las piezas en el transcurso de la subasta, según sostiene el Sunday Times citando a fuentes anónimas del mundo del arte.

Fonte: El País

Dois livros




E ainda há quem pense que o valor de um livro está na encadernação.


Cesário Verde - O LIVRO DE CESARIO VERDE. 1873-1886. Lisboa. Typographia Elzeviriana. 1887. In-8º de XIX-I-103-I-IV págs. B.Primeira edição, valiosíssima e de extrema rara do «Livro de Cesário Verde», “poeta sincero, verdadeiro e original”, altíssimo nome da literatura portuguesa de todos os tempos. A edição, primorosamente executada sobre papel de linho, foi feita por iniciativa de Silva Pinto, grande amigo do poeta. Dela se fez uma reduzida tiragem única de 200 exemplares numerados. Com um retrato de Cesário Verde por Columbano. Exemplar em excelente estado de conservação. Encadernação inteira de pele gravada com ferros a seco e a ouro na lombada e pastas. Apresenta as capas de brochura zincogravadas a partir das originais. Preço: 3.000,00 €


Vitorino Nemésio - NAVE ETÉREA. (Em memória do descobrimento do caminho celeste para o Brasil.). Imprensa Acadèmica. Coimbra. 1922. 14,5x23 cm. 36-II págs. B.Primeira edição. Rara. Capa da brochura com algumas manchas. Preço: 200,00 €

Pontos de vista

«Andámos durante estes anos a aturar os consultores da Merryl Linch, os gestores da Lehman Brothers, os génios financeiros da Goldman Sachs - para vermos, numa só semana, que nem da casa deles sabem cuidar. Quantas vezes os ouvimos dizer que tínhamos de "desregular", ou que havia controlos demasiado "rígidos" sobre o mercado, ou que não tínhamos dinheiro para pagar saúde aos cidadãos, ou a universidade aos estudantes, ou que os privados fariam melhor com as nossas pensões de reforma? Pois bem, o contribuinte americano deve estar bem lixado, neste momento, ao ver que o dinheiro que não havia para reparar pontes e diques já terá que aparecer para safar todo o sistema financeiro desregulado.»
Rui Tavares no Público de hoje.

CIA - Com imperativo acrático (a demo fica para depois)

Bem me queria parecer. A democracia que temos é obra da CIA. Dela e de Carlucci. Com um nome desses, não se espantem que ainda venhamos a ter por cá um clone daquele senhor de Itália, que era patrão de televisões e afins e agora é ministro.
O pior que há no mundo é o comunismo. Credo, cruzes, canhoto. A democracia é muito melhor. Mais desemprego, mais milhões de milhões para apoiar a banca e cortar ao máximo na segurança social (porque fazem sempre falta mais polícias).
Mas não fujamos ao assunto. As forças democráticas trabalharam para a CIA. Ou terá sido com a CIA? Se calhar fizeram o que a CIA queria, julgando estar a servir o país. Bem, seja como for, não saem muito bem no retrato.
Já a CIA não se percebe. Afinal qual é o papel dessa gente, obedecer aos secretários ou aos diplomatas?

Chegou o Outono

Chegou o Outono.
Temos de confessar que não chegou em boa altura.
O tempo ainda é como o outro, agora o dia... Que raio!
O pior mesmo é ficarmos a saber que Bin Landen escreve poemas. Podiam ter deixado para outro dia. Afinal, trata-se do equinócio de Outono. A data merecia uma festa.

Volta, Mendes Bota, estás perdoado

Um professor da Universidade da Califórnia descobriu que Osama Bin Laden escreve poemas e anseia por os dar a conhecer ao Ocidente. Diz ele que por causa da métrica e das rimas.
Se fossem poemas de um ocidental podíamos pensar que os atentados eram reflexo do ressentimento pelo pouco apreço em que foram tidos. Mas Osama Bin Laden bebeu noutras fontes. Escrever poemas é apenas um modo de fazer propaganda. E talvez os poemas se venham a revelar um embuste. A ver vamos.
Importa é assinalar a docilidade e o oportunismo do ocidente. Osama Bin Laden quer destruir a América. A América adora-o. Pô-lo no altar dos terroristas e, agora, no dos poetas.

21 setembro 2008

Europa "versus" EUA


Falta política. Faltam ideias

O que é a política?
Poderíamos pensar que seria a luta por ideais ou a afirmação de projectos para o bem-estar de um país. Mas os ideais desapareceram e os projectos raramente passam de uma súmula de lugares comuns mais ou menos vagos.
Cada partido que ganha eleições e é convidado a chefiar o governo chega com ânsia de mostrar serviço, mas como lhe falta o essencial, ou seja, ideias, projectos, chega e esbarra com os orçamentos. Corta-se onde é mais fácil: nos salários. E para o fazer degrada-se o papel de quem trabalha para o Estado. Sempre com um sorriso nos lábios (para fazer de conta que está tudo bem). O pior é que a vida não começa nem acaba no Estado e quando se dá o caso de a procura ser grande, começam as chatices. Os privados podem pagar mais. Curiosamente, tantas vezes à custa do erário público.
O Estado não paga directamente por demagogia eleitoral, para pagar o dobro, o triplo ou mais agravando o défice que diz combater.
Os médicos são um bom exemplo disso. Alguns enchem-se e nós pagamos: porque pagamos impostos e pagamos ainda o que cobram. Somos duplamente prejudicados, recebendo sempre em troca o sorriso do primeiro-ministro (o melhor de sempre), do ministro que tutela o serviço (o melhor de sempre). Se por acaso a coisa dá para o torto, os sorrisos dão lugar a outros sorrisos e ninguém tem nada a ver com o problema. Ele é a crise, ele são os sindicatos... Bodes expiatórios nunca faltam. O que falta, uma vez mais, desde o início, política. Ideias. Projectos.
Aproximam-se as eleições e vamos poder ver como ninguém tem nada para propor a não ser mais daquilo que já temos.
António Arnaut teve um projecto: o serviço nacional de saúde. Bateu-se por ele. Mas para um Arnaut há dezenas de nulidades.

A Verdade com v de TV

Peço desculpa. Vejo pouca TV. Uma ou outra série e pedaços de telejornais. O resto entedia-me. Ou seja, estou muito longe de ser um bom português. Tenho pena. Gostava de ser um português exemplar.
Soube há pouco que «milhões de milhões de portugueses assistiram à estreia de um programa televisivo que, basicamente, confronta as verdades íntimas de um qualquer sujeito com as verdades sociais.»
O tal programa parece despertar a gula nacional. Diz um sociológo "Vivemos numa sociedade que promove a superficialidade, a preocupação excessiva em aparecer, a necessidade de se ser alguém. E é muito fácil montar uma teia como esta para pessoas com uma certa vacuidade interna."
Fala um psicólogo: "A Psicologia explica isso com uma coisa que se denomina processo vicariante, isto é, o sujeito resolve através dos outros as suas próprias angústias psicológicas". Por palavras mais simples, o ser humano não quer estar sozinho na desgraça e gosta de ver o Outro passar ridículos maiores do que os seus, até porque "um dos traços mais característicos dos humanos é a sua atracção pelo ridículo, pelo disparate".
Diz o sociólogo: "É o mesmo mecanismo que faz as pessoas pararem nas estradas para verem o acidente dos outros".
Em resumo: o canal que tem o tal programa no ar faz dinheiro (e muito dinheiro) à custa dos tansos que vão lá por meia dúzia de euros. São tão tontos que nem sabem pedir couro e cabelo à produção. Sim, sim, eu digo que sou um escroque mas quero a Impresa em meu nome. Algo desse género.
Cada segundo de publicidade é ouro a correr para os cofres de Balsemão, Francisco Pinto. Um homem que já foi primeiro-ministro de Portugal.
O nosso país é mucho west, mucho macho, mucho lindo. I love Portugal. E só tenho pena de não ser um português digno desse nome. Que faço? Emigro? Mato-me? Que tal abrir um leilão?

Salvia divinorum

1,8 milhões de americamos já experimentaram. Dados governamentais. A coisa está a agitar o país, por causa de vídeos no Youtube.
A Salvia divinorum, cujo princípio psicoactivo é a Salvinorin A, revela-se o alucinogénio mais potente que existe na natureza. Estimula apenas um receptor do cérebro, o kappa opioide, enquanto o LSD estimula 50.
A planta, que era mascada pelos índios mexicanos maztecas (aborígenes de Oaxaca), tem-se espalhado entre a juventude abonada dos EUA (doutorados, empresários e afins). Por enquanto não se conhecem os perigos dos efeitos secundários, embora haja universidades a realizar estudos sobre essa e outras plantas psicotrópicas.
Fonte: El País

20 setembro 2008

Melania Mazzucco e a Berluscolândia

Enquanto por cá a literatura se passeia pelo nada, entediada, cordata, fotogénica, reinos há onde olha à sua volta e se diverte a dizer que o rei vai nu.
Assim com o romance Um dia perfeito, de Melania Mazzucco, de que hoje se fala no Babelia. Um romance sobre a Itália de agora. Um retrato sobre a Berluscolândia:
«Berluscolândia: a família como núcleo podre e cenário dos delitos mais abjectos; o machismo e a homofobia como valores supremos; o crescente desespero dos jovens. E, como panos de fundo, a corrupção e o racismo, a opressiva hipocrisia católica, o poder paralisador da política e da televisão.»
Esperemos que o sucesso comercial do livro e o filme que foi realizado a partir dele o traga até Portugal.

O emprego, meu deus, o emprego


Quem já foi rico e deixou de o ser ou quem tinha na mão o poder de eleger presidentes da República vê-se agora na necessidade de fazer pela vidinha, como milhares. Uma chatice. Apesar da gravata, o emprego é simples: dar graxa.
Dar graxa a quem tem a faca, a tábua, o pão, o queijo e muitos outros produtos e ingredientes. O problema é que neste mundo global as graxas já não são feitas como antigamente. Agora recorrem à manteiga rançosa e a graxa não dá aquele brilho de outrora. Cheira mal.

O post só ficará claro para quem der um saltinho até uma das prosas de ER, soit disant jornalista.

Rais parta a imprensa

Amaryllis belladonna ou Brunsvigia rosea


A Amaryllis belladonna ou Brunsvigia rosea (Lam.) Hannibal, também conhecida como Menina vai à escola é uma flor originária da África do Sul que floresce nas bordas dos caminhos, em canteiros e jardins, entre os finais do Verão e os princípios do Outono.

Pode ser vista em quase todas as ilhas dos Açores, excepto no Corvo.

Família: Amaryllidaceae
Espécie/Subespécie: Amaryllis belladona L.

Nomes vulgares: Belas-donas; Beladona; Despedidas-de-verão; Açucena-da-serra; Beladona-bastarda; Bordões-de-são-josé.

Descrição: Herbácea, vivaz e bolbosa. Folhas até 35 cm, aparecendo depois das flores. Flores branco-rosadas, em hastes robustas, púrpureas.

Homem com mais de 316 quilos


Chamava-se Carlos Marroquín, tinha 47 anos e pesava quase 317 quilos. Em Dezembro de 2007 estava em casa e sentiu-se mal. Os bombeiros que foram chamados ao local tiveram de usar uma grua hidráulica para o retirar do segundo andar. Esteve internado desde então num hospital da Guatemala.

Há dias, os médicos resolveram operá-lo, para lhe retirarem grande quantidade de gordura. A operação, que demorou mais de seis horas, foi bem sucedida. Mas Carlos Marroquín não aguentou as várias paragens cardíacas e morreu.

Trópico de Câncer, de Henry Miller


Já está nas livrarias uma nova versão de Trópico de Câncer, de Henry Miller, traduzido por Jorge Freire. A reedição pela Bertrand desta narrativa autobiográfica, passada na Paris dos anos 30, inaugura a colecção 'Obras Literárias Escolhidas' lançada por esta editora.
Esse livro tardou em ser publicado nos Estados Unidos. Veio a público em Paris no ano de 1934 e só em 1961 chegaria às estantes americanas.
Jorge Freire considera "a criação, o tempo e a morte, a abolição da diferença entre o mundo das ideias e a experiência vivida e a quebra voluntária dos tabus" temas centrais de Trópico de Câncer.
De acordo com o tradutor, o prazer e o desejo, a que o escritor chama "milagres da personalidade", são "afirmação da verdade, da literatura, da vida e do individualismo".
Relato autobiográfico, Trópico de Câncer leva-nos pela Paris de entre-guerras vista e vivida por um Henry emigrado que deixara para trás Nova Iorque e fora para Paris em busca de um sonho: escrever. A fome, o sexo, o álcool, os biscates, a loucura, o delírio atravessam as páginas desse romance sobre o qual caiu o libelo de pornográfico e obsceno.

Henry Miller


«Suponhamos que amanhã, como consequência de terem lido Henry Miller, todas as pessoas começavam a usar uma linguagem livre, uma linguagem de sarjeta, se quiserem, e a agir de acordo com as suas crenças e convicções. E então ? A minha resposta é que, acontecesse o que acontecesse, seria como nada tivesse ocorrido, nada, insisto, se o compararmos com os efeitos da explosão de uma única bomba atómica. E isto é, confesso, a coisa mais triste que um indivíduo criador como eu pode admitir.
É minha convicção que estamos hoje a atravessar um período a que se poderia chamar de "insensibilidade cósmica", um período em que Deus parece, mais do que nunca, ausente do mundo, e o homem se vê condenado a enfrentar o destino que para si próprio criou. Num momento como este, a questão de saber se um homem é ou não culpado de usar de uma linguagem obscena em livros impressos parece-me perfeitamente inconsequente. É quase como se eu, ao atravessar um prado, descobrisse uma erva coberta de esterco e, curvando-me para a ervilha obscura, lhe dissesse em tom de admoestação: "Que vergonha!"»

19 setembro 2008

Bons sinais na demografia portuguesa

Portugal está a entrar nos eixos. As pessoas casam-se mais tarde, têm menos filhos e vivem mais tempo. Os empregos escasseiam, os preços estão muito altos, a vida está pela hora da morte. Por isso, não espanta que morra mais gente do que a que nasce. O saldo é pela primeira vez em décadas negativo. Mas significa isso que há menos gente em Portugal? Não. Vejamos o que nos diz o documento "Estatísticas Demográficas" do Instituto Nacional de Estatística.
A taxa de crescimento natural, que há muito manifesta uma tendência de redução, apresenta em 2007, pela primeira vez na história demográfica portuguesa recente, um valor negativo (-0,01%).
Desde o início do século XX, apenas em 1918 se havia registado um saldo natural negativo, associado à epidemia de gripe pneumónica que atingiu o país nesse ano.
A situação verificada em 2007 não é única no conjunto dos 27 países da União Europeia.
Para além de Portugal, também a Itália, Estónia, Alemanha, Roménia, Hungria, Lituânia, Letónia e Bulgária apresentaram, em 2007, taxas de crescimento natural de valor negativo.
O saldo migratório mantém um valor positivo.
A população residente em Portugal tem vindo a denotar um continuado envelhecimento demográfico, como resultado do declínio da fecundidade e do aumento da longevidade.
Em 31 de Dezembro de 2007 a população residente em Portugal foi estimada em 10 617 575 indivíduos, o que representa um acréscimo populacional de 18 480, face ao valor estimado no ano anterior.
Em 2007, o mês de Fevereiro foi o de maior intensidade da mortalidade. Dos óbitos ocorridos em Portugal, em 2007, resultaram 13 294 viúvos e 32 746 viúvas. Ou seja, morrem muito mais homens do que mulheres.

Estudo científico? Ou bluff populista?

Há alguém que diga, ao ver um filme, que os actores mentem? Pode acontecer sim que a personagem que o actor encarna faça da mentira um modo de vida. Mas ninguém, ao ver um filme, o avalia pela veracidade. Pela verosimilhança, talvez.
Ora, o suposto estudo científico levado a cabo pela equipa de investigadores canadianos soa a banho da cobra. Porque os políticos são actores. Representam um determinado papel, no qual, além das suas ideias e vontade, intervêm os acessores de imagem e outras pessoas. Tudo para que não só o discurso alcance mais eleitores, como também para que o papel representado seja convincente.
O populismo do estudo e sobretudo aquilo que se pode ler na notícia é confrangedor. Tem muito de opinião (ou seja, de particular) e pouco de científico (ou seja, de geral). Isto para não falarmos do abuso de senso comum. E chega a ser hilariante. Vejamos um excerto: «o que passou despercebido ao comum dos mortais, foi facilmente detectado por Paul Ekman, que estuda as expressões faciais e a maneira como actuam os políticos, em relação ao que pensam, há 40 anos. “Tendo em conta que [Bill] Clinton provavelmente sentiu rejeição por a sua mulher não ter conseguido a nomeação, eu diria que todo o discurso foi na verdade dado de uma maneira muito graciosa”». Sublinhamos o advérbio porque nele reside a falácia. Se isto é ciência, Alberto João Jardim, José Sócrates, Cavaco Silva e tantos outros são cientistas de ponta.

Quanto custa a campanha eleitoral nos Açores?

Mais de três milhões de euros.
Donde vem o bago? De vários sítios: do erário público, de ajudas dos partidos continentais, de doações (empresa, querida empresa, abre lá os cordões à bolsa se queres ver os teus projectos aprovados).
A democracia tem custos e as eleições fazem parte deles.
Vejamos quanto vão gastar os partidos políticos na campanha (dados públicos, claro. Por baixo da mesa, os que puderem gastarão mais):
O PPM vai gastar 4.500 euros.
O PDA três mil euros.
O Bloco de Esquerda ronda os 50 mil euros.
O Movimento Partido da Terra precisa de 11 mil euros.
A CDU tem um orçamento de 180 mil euros.
O CDS/PP 135 mil euros.
O PSD/Açores, mesmo em crise, dispõe de 887 mil euros e o PS do resto. É só pegar na calculadora e fazer as continhas. Gastará, só ele, quase 2/3 do bolo. 460 mil euros vêm do erário público. O resto vem de bens cedidos a título de empréstimo (100 mil), da angariação de fundos - 215 mil euros - e o partido de Sócrates (coitadinho coitadinho) dá 1 milhão. Ao todo são 1,8 milhões de euros. Uma linda soma só para César e os demais representantes rosa do povo açoriano mostrarem como é lindo poder ter um kit autonómico.

O preço dos combustíveis

Manuel António Pina punha ontem o dedo na ferida da Galp. Transcrevemos um excerto: «o vice-presidente da Galp (...) justificava os aumentos dos combustíveis com o aumento do crude e, agora que o crude está em queda livre, explica que não descem (desde Julho, o preço do crude caiu 38%, mas o da gasolina só desceu 4%; em Portugal, pois nos mercados internacionais desceu 23%...) porque tem uma "fórmula" para calcular os preços onde não entra só o preço do crude. Poderia querer referir-se a factores como a refinação e os impostos. Mas esses mantêm-se inalterados e, ainda por cima, a Galp tem o monopólio da refinação. Na "fórmula" deve entrar, pois, outro factor. Eu aposto na ganância.»

18 setembro 2008

Casas espanholas


Casas espanholas onde podemos entrar e saborear um bom prato. Ou uma sobremesa requintada. Ou umas tapas à maneira. Isto sem esquecer umas parrilhadas.

Há, ainda, muitas baiucas. Esta, com laivos de aventura de papel, que oferece água del cano. Esta, que à tequilha mistura muito sal. Ou esta, para quem faz de conta que é míope. Uf.

Chamam-lhe bitácoras e divertem-se exactamente da mesma maneira que nós. Alguns com o nível a pender para norte, outros para oeste ou até para oriente. Há de tudo, que nisto de pedreiros ou albañiles uns estão a sério e outros deixam os queixos doridos de tanta carcajada.


Que remédio!

Há muito muito tempo, ou seja há dias, Portugal assistiu, sentado, ao susto dos fabricantes de medicamentos. Um ex-ministro da saúde vem agora dar o nome à coisa. Chama-se Correia de Campos e como foi corrido, pôs a boca no trombone. E a música já se faz ouvir.
"Por força de um agressivo marketing farmacêutico e por falta de informação própria e dos pacientes, nos serviços públicos de saúde prescrevem-se em excesso medicamentos e meios de diagnóstico, levando a um crescimento excessivamente rápido destas rubricas de despesa. Foi assim que Portugal se transformou no paraíso dos operadores na área farmacêutica."
“A evolução legislativa em saúde plasma a pressão das forças económicas e sociais que actuam no sector — profissionais, indústria, distribuição, instituições e função pública — e apenas em pequena parte os cidadãos destinatários.”
A saúde, em Portugal, é coisa para a população em geral, não para quem pode. O senhor ex-ministro di-lo clarmente: «Pessoas com notoriedade, conhecimentos, cultura, meios e amigos não são comparáveis à população em geral.» Essas, se tiverem posses vão ao estrangeiro.

Segredos de um candidato a candidato


Um bocadinho de saliva. Adorar a imagem de si próprio no espelho. Cara abonecada e maquilhada q.b. Usar golas altas, fazer um uso meticuloso de todos os botões (seja camisa, blusa, casaco ou sobretudo), pelo menos em momentos solenes. Ter família numerosa, mas sem raízes italianas (nesse caso escondê-las muito bem, por exemplo por detrás do pin da bandeira do país). Gostar muito da lei (igual para todos, menos quando se tiram os óculos). Dar empregos a amigos de infância. Poupar os segredos ao futuro, tornando-os acessíveis a hackers. Ter as namoradas dos filhos ao lado. Chamar-se Pràli, Pracoli, Akistá ou algo parecido. E bater palmas, muitas palmas. Ou mostrar que se tem um bom dentista.

Partitura inédita de Mozart

Uma partitura inédita, assinada por Amadeus Wolfgang Mozart, foi descoberta por investigadores alemães numa mediateca em Nantes, França.
O achado só merece referência pela curiosidade. Entre os indefectíveis do compositor pode haver frenesi q.b. e entre coleccionadores algum nervosismo, mas não é caso para muito. A partitura pertence a uma mediateca.
A pequena partitura, do tamanho de uma folha de caderno A4, está dividida em duas partes: uma peça em compasso de quatro tempos em ré maior, e uma segunda parte, que seria um rascunho, a espaços ilegível. Trata-se do rascunho preliminar de uma composição musical, com diversas anotações do compositor.
Aqui fica a partitura interpretada por Laure, antiga aluna de Daniel Cuiller, do Ensemble Baroque Stradivaria.

Casamento homossexual

Em Portugal ainda não é permitido. E assim vai continuar. Na próxima legislatura se verá. Por ora, Sócrates tem medo e o PS também. Garganta não lhes falta, mas em chegando a hora da verdade a coisa exige mão de ferro e há tolerância zero para os deputados.
Na América, Brad Pitt doou 100 mil dólares (70.091 euros) a uma campanha para acabar con a Proposition 8, que proíbe os casamentos homossexuais no Estado da Califórnia.
O actor justifica essa doação nos seguintes termos: "Porque ninguém tem o direito de negar a outra pessoa a sua própria vida, mesmo que não se esteja de acordo com ela; porque todo o mundo tem o direito de viver a vida que deseja sem prejudicar os outros e porque a discriminação não deve ter lugar nos EUA."

Leiloar a virgindade

O mundo é um lugar estranho. Onde aquilo que podia ser tomado por uma brincadeira ou por um filme de gosto duvidoso facilmente se torna realidade.
Duas mocinhas, uma americana, outra italiana, estão em leilão na net. Sim, leram bem. Leiloam a sua virgindade.
Natalie Dylan e Raffaela Fico fazem-no por "bons princípios". Uma quer pagar os estudos. Outra quer pagar um curso e comprar uma casa.
Ao que se diz, a americana valoriza a inteligência. Por isso não irá para a cama com alguém com baixo Q.I. Não, isso não. Além do milhão de euros o macho (?) terá de demonstrar que não foi um idiota em gastar esse dinheiro. E a ironia não se fica por aí, a menina ambiciona tornar-se... conselheira matrimonial.
Já a italiana, não está com tanto paleio. Diz preto no branco: "Se não gostar do homem com quem tiver sexo, bebo um copo de vinho e esqueço o assunto". O irmão e o resto da família tratam dos detalhes, para convencer os potenciais interessados. Garantem que, apesar do ar sensual e das poses sexy com que vai preenchendo os sonhos de muitos homens, Raffaela é pura e casta, em respeito pelos mandamentos da fé católica, românica e apostólica. "Ela nunca teve um namorado. Juro pela alma da minha mãe", afiança o mano. "Ela é uma católica devota que reza todos os dias ao padre Pio".
A coisa não é inédita. Em 2005, uma modelo peruana, de 18 anos, também leiloou a virgindade. Pretendia angariar dinheiro para pagar as despesas médicas da família, mas acabou por mudar de ideias, quando já tinha uma proposta de 1,5 milhões de dólares (1,05 milhões de euros).
Fonte: JN

Plástico mortal


Uma garrafa de 0,33 cl é vendida entre 0,60 a 1 euro. Um garrafão de cinco litros custa os olhos da cara se for adquirido no Arquipélago dos Açores. Ou seja, o negócio da água é altamente lucrativo. A água é muito mais cara do que a gasolina e ninguém faz barulho por causa disso. Pelos vistos, não é preciso.
E as notícias que já há algum tempo circulavam por correio electrónico chegam agora aos jornais. São preocupantes. O plástico mata. Mata lentamente. Grande parte do vasilhame usado pelas diferentes marcas de água usa plástico, pois sai-lhes mais barato do que o vidro. O problema é, pois, não só a carteira, como a saúde, a própria vida.

O bisfenol A (BPA), um químico usado no fabrico de muitas embalagens, garrafas de plástico e latas de comida, pode estar ligado ao aumento da prevalência de problemas cardíacos, de diabetes e de anormalidades nas enzimas hepáticas. Esta é a conclusão de um estudo publicado esta semana no Journal of the American Medical Association.

O BPA é utilizado na produção de plástico policarbonato, um material transparente e resistente ao impacto. Mais de dois milhões de toneladas métricas deste químico, que imita a forma como o estrogéneo actua no corpo humano, foram fabricadas em 2003, havendo anualmente um aumento de seis a dez por cento na procura.

Estudos feitos em animais mostram que este químico, mesmo em doses reduzidas, pode provocar alterações no cérebro dos fetos e recém-nascidos, na próstata, nas glândulas mamárias e modificar a idade de puberdade das fêmeas.

17 setembro 2008

Contraceptivo dum aristocrata francês


O Museu de Farmácia adquiriu um preservativo do Marquês de Sade. Como é que sabem que pertenceu ao divino marquês? Pela assinatura? Por algum sinal particularmente repugnante?
O contraceptivo é feito em tripa de animal. E talvez não passe de uma estratégia para inglês ver. Ou, melhor dizendo, para japoneses e alemães. Mas que soa bem, lá isso.

A propósito, aqui têm uma lista de alguns dos livros de Donatien Alphonse François de Sade.

16 setembro 2008

Hector Zazou - Cardiovascular Demise

Hector Zazou e Bjork - Songs from the cold seas

Cancro do pulmão


Daqui a cinco anos pode haver um teste ao sangue capaz de detectar a presença de cancro do pulmão, antes dele se manifestar.

O Centro de Investigação de Cancro Fred Hutchinson detectou, em amostras de sangue de fumadores, a presença de três proteínas ou antigenes em mais de metade das pessoas que mais tarde viriam a desenvolver cancro do pulmão. Os cientistas procuraram dois antigenes tumorais já identificados, annexin 1 e 14-3-3-theta, e também um antigene tumoral recentemente descoberto, LAMR1.

O próximo passo do grupo de investigação é tentar perceber se os testes sanguíneos usados em conjunto com a tomografia computorizada, meio actualmente utilizado na detecção do cancro do pulmão, podem ajudar a um diagnóstico mais precoce da doença ou a detectar casos em que a tomografia não tenha encontrado nada.

Martialis heureka




A Martialis heureka tem características suficientes para ser considerada uma formiga, mas é tão diferente de tudo o que já se viu que os cientistas criaram uma nova sub-família, Martialinae, só para ela.


Martialis heureka porquê? Martialis, por causa de Marte, e Heureka, de eureka, “descobri!”


Há 85 anos, desde 1923, que não se criava uma nova sub-família de uma espécie de formiga viva, as que se têm sido criadas foram a partir de formigas fósseis.


A descoberta aconteceu na Amazónia. A formiga era tão diferente do que se conhece que poderia ter vindo de Marte. O que obrigou a equipa da Universidade do Texas, em Austin, a criar essa nova sub-família.


A espécie tem dois ou três milímetros de comprimento, não tem olhos, tem duas grandes mandíbulas, as patas dianteiras são finas e mais compridas que o normal. Todas estas características indicam que habita no solo, raramente vê a luz do dia e alimenta-se de outros animais como insectos, artrópodes ou anelídeos.


A nova espécie de formiga está escondida no solo, num ambiente tropical estável, que é potencialmente menos competitivo. Esta espécie pode ser uma relíquia que reteve características morfológicas ancestrais.


A análise genética confirmou que estava na base da árvore evolutiva das formigas. Segundo um dos cientistas "Esta descoberta suporta a ideia de que as formigas cegas dos subterrâneos que são predadoras, apareceram no início da evolução das formigas".


As formigas apareceram há 120 milhões de anos a partir dos antepassados das vespas. A evolução foi rápida e deu lugar a muitas linhagens, com as espécies a adaptarem-se a vários ambientes.




Fonte: Público

Agá-cinco-éne-um pum pum

O mundo vai acabar. Um dia. E assim apocalipticamente e cheios de medo trazemos aqui as palavras do horror do especialista belga Geert Leroux-Roels que gosta muito de filmes de terror. Diz ele que a taxa de mortalidade de uma pessoa infectada pelo vírus H5N1 da "gripe das aves" é, actualmente, de 60 por cento e se tal se mativer e a pandemia acontecesse «seria o fim da humanidade». Ohhhhhhhhhhhhhhhhhhh, já as mãos me tremem e a voz se me embarga.
Mas, salvação, nem tudo está perdido. A vacina e outros medicamentos antivirais podem salvar a humanidade e a nação portuguesa. O problema é que depois do sururu de há dois anos, a coisa caiu no esquecimento e só há 400 mil vacinas em stock. Portugal tem muito mais gente.
Os serviços de saúde da nação adquiriram tratamentos contra uma hipotética pandemia de vírus da gripe das aves, um investimento nas ordem dos 25 milhões euros, mas até ao momento não foi necessário administrá-lo e corre o risco de, dentro de três anos, estar fora da validade.
E agora, que fazer?

Crise? Falem com Damien Hirst


Damien Hirst (onde é que eu já ouvi este nome?), colocou parte substancial das suas obras à venda e só no primeiro dia do leilão arrecadou 70 milhões de libras, superando as expectativas.

Um tubarão tigre conservado em formol (na imagem) chegou aos 9,6 milhões de libras e um bezerro embalsamado com cascos e cornos de ouro foi para quem abriu mão de 10,3 milhões de libras.

Hirst, em vez de optar por expor numa galeria, decidiu colocar à venda 223 peças do novo trabalho (a que deu o sugestivo nome de “Mini-retrospectiva”) na leiloeira Sotheby’s House. Com a venda de menos de metade das obras, o chupista ganhou 88 milhões de euros e quebrou o recorde detido por Pablo Picasso.

O leilão ainda vai a meio. Digam lá que a morte não é um bom negócio? A morte é o tema central da obra deste Young British Artist.

Para quem gosta de livros





branco sujo

Blogues, como poetas, há-os aos pontapés. Alguns caem-nos na sopa no momento em que estamos sôfregos e, porra, babamo-nos todos. Dá dá dá (as onomatopeias piscas saem-nos assim defeituosas, que havemos de fazer?).
Já não sei como foi com branco sujo, «Um blog racista que odeia o branco e suja-o de de caracteres, ruídos e alguns bonecos.» Sei que foi por estes dias. E a minha avó, que faz as limpezas, cortou-me a mesada. Babar a roupa e a tolha, ainda vá que não vá, agora conspurcar mesa, toalha, roupa, chão e outras coisas, ah não, isso não. Estou de castigo, portanto. Escrevo isto às escondidas, muito triste. Mais triste ainda porque o costume diz que linkas para te linkarem (fica bonito o acordo ortográfico aqui, oram digam lá que não...) e o raio do José Quintas não linka ninguém. E se ele não linka eu não recupero a mesada (publicidade, caros amigos, publicidade). Mas que fazer se lê-lo me faz melhor do que tomar dois ou três antidepressivos?

Encher os bolsos e...

A frase é atribuída a Karl Marx: "Sem sombra de dúvida, a vontade do capitalista consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o carácter desses limites."
Ora a investigação não se faz, como se bastassem constatações do tipo: há crise. E nós, que não somos economistas, muito menos gente com traquejo na alta finança, ouvimos que há crise e encolhemos os ombros, como se não fosse nada connosco.
Se não fosse nada connosco que levaria os barões da alta finança a deixar cair as suas apreensões? Por exemplo, a do director-geral do Fundo Monetário Internacional, Dominique Strauss-Kahn, que descreveu a actual crise financeira mundial como «nunca vista», uma vez que está a afectar os EUA, o «coração do sistema» e não a sua «periferia», algo que vai afectar todo o mundo, pois «toda a economia mundial vai desacelerar entre meio ponto e dois pontos», incluindo a China e os países europeus.
O que se passa com os grandes bancos e as grandes seguradoras dos EUA para estarem tão mal?
Será que se distraíram e deram demasiado dinheiro aos pobres? Ou será que a gula foi excessiva e agora já não conseguem vomitar?

Aos diabéticos, camomila, chá de camomila

Quem o diz? Os ratos, excelentíssimas senhoras. Os ratos, esses roedores tão amigos dos investigadores, sobretudo se forem japoneses e britâncos.
É que eles alimentaram ratos diabéticos com extracto de camomila. Os resultados foram animadores.
O chá de camomila não trata a doença mas poderá ajudar a prevenir as complicações que por vezes surgem na sequência de diabetes do tipo 2 como, por exemplo, a perda de visão ou os danos causados nos rins.
Os investigadores da Universidade de Toyama alimentaram os ratos doentes durante 21 dias e compararam os resultados com um grupo de controlo de animais diabéticos com uma dieta normal. Os registos mostram que os níveis de glicose no sangue eram significativamente mais baixos nos ratos alimentados com o extracto que aparentemente inibiu a produção de açúcar no fígado.

E ainda dizem que o tabaco faz mal

Pesquisa desenvolvida no centro biotecnológico de Halle, na Alemanha, usa planta do tabaco para uma possível vacina contra o Linfoma Não Hodgkin.
O LNH é o quinto tipo de cancro mais comum, com uma incidência de 70 mil novos casos/ano na União Europeia. Em Portugal registam-se anualmente cerca de dois mil novos casos de LNH e estima-se um aumento anual da taxa de incidência de cerca de 10 por cento.

Aos estudantes de medicina

Pá (convém usar este tratamento com os futuros doutores), se estás ou acabas de entrar em Medicina, põe-te a pau e não sejas morcão. Olha lá prò que está a dar: anestesiologia, ginecologia/obstetrícia, pediatria e otorrinolaringologia. Urologia também não está mal.
Se tiveres dúvidas, pensa bem: 2500 euros por urgência (24 horas).
O resto são cantigas. E t não escolheste canto nem conservatório. Por isso, vê lá se te pões fino e tratas da vidinha. Da tua e dos que forem parar às mãos. Eu, por mim, se pudesse emigrava.

Maria Keil e as ofertas culturais


Maria Keil nasceu na cidade de Silves, em 1914. Ilustradora, ceramista e artista plástica, destacou-se no azulejo. Vários dos seus painéis podem (ou podiam) ser vistos nas estações de metro de Lisboa. Que decorara nas décadas de 50 e 60. Dezanove estações, ao todo.

A ela se deve a recuperação, em espaços públicos, do azulejo que muitos consideravam arte menor. Além do Metropolitano de Lisboa, deixou painéis na TAP de Paris e de Nova Iorque, na União Eléctrica Portuguesa, no Casino de Vilamoura, no Aeroporto de Luanda, entre outros espaços.

Pelos azulejos realizados para o Metropolitano nada recebeu. À boa maneira cultural fez aquilo de borla.

Recentemente, a Metro de Lisboa decidiu remodelar, modernizar, ampliar várias das estações mais antigas e não foram de modas, avançaram para as paredes e picaram-nas sem se dar ao trabalho de (antes) retirar os painéis de azulejos. À autora também nada disseram.

Ao contrário de arquitectos, engenheiros, escultores, pintores, ou quem quer que seja que veja uma obra pública sua alterada ou destruída sem o seu consentimento, Maria Keil não tem direito a qualquer indemnização. Pela simples razão de que não podem indemnizar a autora, já que ela não cobrou um tostão que fosse pela sua obra.

Quem quiser saber mais, dê um passeio até aqui.

Juan Roget e o telescópio

Quem foi Juan Roget? Nick Pelling diz que foi o inventor do aparelho óptico. Um aparelho em forma de tubo que combinava um par de lentes gémeas e permitia ver com nitidez pessoas e coisas situadas a várias centenas de metros de distância.
A história reza doutra maneira. E atribui aos holandeses a patente da invenção. Hans Lipperhey, Jacob Metius e Zacharias Janssen (todos em 1608). Ora, ao que parece, o invento fora afinal comprado em Barcelona. E ainda tardou em chegar à Holanda.
Segundo Pelling, foi na capital da região da Catalunha que um homem comprou o telescópio. Daí partiu para a Alemanha, para tentar vender o objecto na feira de Frankfurt, onde anualmente eram apresentados os mais recentes livros e descobertas científicas. Ao que parece, foi esse homem que entregou o telescópio do catalão Juan Roget a Zacharias Janssen, para que este último vendesse o artefacto e dividisse os lucros. Mas Janssen ficou abismado com a maravilha que tinha em mãos e não conseguiu desfazer-se do objecto. Ao invés, partiu para a terra natal com a intenção de tentar construir algo semelhante. O problema é que Janssen não tinha conhecimentos que permitissem desenvolver relíquia idêntica. Por isso, encontrou-se com Hans Lipperhey e Jacob Metius para lhes pedir auxílio e duas lentes ópticas – que, na altura, não tinha em seu poder. Zacharias Janssen só mais tarde percebeu o erro que estava a cometer: tanto Metius como Lipperhey copiaram o objecto e registaram a patente.
Juan Roget morreu entre 1617 e 1624, provavelmente sem nunca ter compreendido a real dimensão da sua invenção. Ao longo dos séculos, o telescópio foi utilizado em diferentes áreas e ciências.
No início, era sobretudo útil em cenários de guerra. Mas não tardou muito até Galileu Galilei (o astrónomo italiano que descobriu que o planeta Terra tem formas arredondadas) usar o artefacto nas suas investigações.
Galileu construiu, ao longo da vida, diversas versões do telescópio, e foi, possivelmente, o principal motor da evolução do objecto. O telescópio é hoje um instrumento de precisão muito elevada, servindo diferentes ramos da ciência.
Fonte: Público

15 setembro 2008

Outras trancendências

Sócrates: aposta na educação é um "esforço que transcende o Governo".

Aleluia


Ele é um homem de fé. Crê. Aleluia. Acredita. Aleluia. Tlim tlim. E tem tanta fé, tlim tlim, que nós, ó deus, sentimos um peso nos joelhos e - aleluia aleluia - choramos diante da revelação.

Tensões e injecções

Estamos de parabéns, declaramos falência

Porque o banco de investimentos norte-americano Lehman Brothers se declarou em falência, para proteger os seus activos e maximizar o seu valor, o Banco Central Europeu anunciou que injectou no mercado monetário 30 mil milhões de euros, com o objectivo de evitar tensões.

Se o pobre Zé tiver problemas de tensão, o que é que lhe injectam?

Dinheiro dinheirinho dinheirento

Dinheiro não é problema quando se tem e em grande quantidade. Quando não se tem, é não só problema, como fonte de muitos problemas.
Depois dos sucessos e paraísos asiáticos, os problemas querem mostrar aos craques da bola económica que a globalidade é muito fotogénica e não olha a meios para aparecer no retrato (seja ele estático, como nas velhas fotos, seja animado e pixelizado para caber num telemóvel, num computador ou noutro suporte qualquer).
Os problemas adoram capturar tubarões, sejam eles economias florescentes ou grandes bancos. A chatice está em que quando o tubarão é apanhado, os peixinhos vão com ele e a coisa dói em muitos lados. Uma dor que os peixinhos não sentem logo, mas que começa a moer aos poucos, até se tornar insuportável como a dor de dentes.
O pescador pode fazer um sorriso que encha o écrã. E os peixinhos podem ficar sossegados, como estivesse tudo sobre controlo. Mas num mundo de especulações as notícias, mesmo que aparentemente inócuas, têm efeitos devastadores. Já pensaram que as vossas poupanças - se as têm - podem ir pelo cano abaixo? Ou que o valor do dinheiro pode disparar e acertar-nos em cheio nas pernas?
Ora digam lá que não é bom acreditar em milagres. Ou acreditar que a economia funciona por si só. O lucro, como todos sabemos, cai do céu. E hoje até é dia santo.

Saramago chega aos blogues

O escritor José Saramago iniciou hoje no blogue da Fundação com o seu nome uma secção pessoal em que se propõe «comentar acontecimentos, expressar opiniões, reflectir em voz alta».

O prédio mais estreito da Europa




Com 1,60 metros de largura de fachada, o prédio número 16 da Rua Aquiles Monteverde, em Lisboa, tem os dias contados. Tudo por causa de obras num prédio ao lado que lhe provocaram danos irreversíveis. A Câmara Municipal impôs a demolição, por segurança.


Em Julho de 2000, escavações feitas sem escoramento num terreno contíguo, para construir um novo imóvel (onde hoje existe o número 12), provocou a queda parcial do número 14 e danos muito consideráveis no 16.


Por cada chuvada mais forte, cai um pedaço do prédio mais estreito da Europa e do edifício do lado. O perímetro das fachadas está vedado com grades da Polícia Municipal, mas segundo a vizinhança, quando o estacionamento escasseia, as grades desaparecem, para dar lugar aos automóveis. As entradas estão vedadas, as janelas tapadas e a demolição parece ser a única solução para um prédio que um dia o IGESPAR (antigo Instituto Português do Património Arquitectónico- IPPAR) quis classificar.




Fonte: JN