07 março 2009

Que chatice, software com erros ortográficos de... português. Que raio de língua é essa?


Surpresa? Claro que é surpreendente ver como gente que já tem idade para ter juízo se delicia com brinquedos. Mais: que acredita piamente que é com brinquedos que se desenvolve a capacidade de leitura.
Os erros são um modo luso de trabalhar: traduz-se, quiçá com correctores automáticos, do inglês e fazem-se adaptações (as mais evidentes). O resultado é o que se vê.
Já dizer que se ficou surpreendido... Com quê? Com o dinheiro que se gastou num produto que pouco mais faz do que épater le bourgeois? Com o hábito de trabalhar em cima do joelho, mesmo quando está em causa a educação de um país?
São mais de 80 erros, entre os quais "gravar-lo", "puxando-las", "acabas-te", "básicamente", "fês", "caêm", e ainda textos inteiros sem sentido, que teriam como objectivo apresentar as instruções dos jogos, aparecem em vários dos jogos didáticos do Magalhães.
O que são erros? Nada. Isso é um grão de pó num vasto areal, o das asneiradas educativas deste governo de Portugal. Como diz o sr. secretário de Estado: "Uma coisa é certa, não é pelo facto de um programa de jogo didáctico ter erros, que isso diminui, em alguma coisa, a utilidade e a importância do projecto do computador Magalhães". Claro, claro. Se nós admitíssemos facilmente os nossos erros e precipitações o mundo seria um lugar muito mais aprazível e que dispensaria abencerragens como as que dominam o Ministério da Educação. Vá lá que não se lembraram de dizer que era para ver se os alunos e professores estavam atentos...
"Em relação aos computadores já distribuídos, a Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) produziu um manual de instruções que permitirá que os professores, nas escolas, ou os pais, em casa, possam realizar a desinstalação de imediato". E não é que ficamos todos muito mais sossegados que seja assim?

1 comentário:

jjorge disse...

é o que se chama escrever depressa demais : você nem tenta entender se os erros têm algo a ver com o projecto Magalhães, o que é um software de código aberto, etc.

Eu errei ao traduzir, ponto. Muitos já tinham utilizado sem o ver, ou se queixar : http://linuxnaescola.blogspot.com/ e mais geralmente : http://gcompris.net/-Escolas-que-usam-GCompris-

E agora, foi corrigido.