09 março 2009

O castigo do pão


Dois homens foram visitar uma idosa. O mais velho levava pão, pois a mulher tinha-o amamentado. A mulher tem 75 anos e é síria. Chama-se Khamisa Mohammed Sawadi e foi castigada pela polícia religiosa por causa disso mesmo, por ter em sua casa dois homens que não eram da sua família.

Castigo? 40 chicotadas, quatro meses de cadeia e deportação da Arábia Saudita, após cumprir as penas. Os homens também foram castigados. Um foi condenado a quatro meses de prisão e 40 chicotadas; o outro foi sentenciado a seis meses de prisão e 60 chicotadas.

A mulher anunciou que vai recorrer da sentença e garantiu que Fahd é mesmo filho de amamentação. Dos homens não se sabe, ainda, se pretendem recorrer do castigo.

A Polícia Religiosa tem o dever de zelar pela forma que as pessoas se vestem, a hora das orações e a segregação sexual, entre outras coisas. Face à lei saudita, que segue o Wahabismo, uma interpretação rigorosa do Islão, as mulheres sofrem muitas restrições ao nível da indumentária, precisam da autorização do marido para viajar e estão proibidas de conduzir.

Os disparates persecutórios que as religiões levam a cabo são terríveis, pois quem deles é vítima encontra-se completamente impotente. Veja o caso de uma rapariga síria de 19 anos, violada por sete homens, que foi condenada a 200 chicotadas e seis meses de cadeia por se ter encontrado com um homem não familiar. Os violadores foram condenados a penas entre 10 meses e cinco anos de cadeia.
Fonte: JN

1 comentário:

mb|Weblog disse...

Ou do bispo brasileiro que pretende excomungar uma menor que foi alvo de um aborto, por ter engravidado em consequência de uma violação de que foi vítima. E o médico que efectuou o aborto também não se livra da ira do bispo.
Enfim... religiões há-as para todos os gostos.