19 outubro 2008

A política das seguradoras ameaça a saúde pública


Há anos não havia bicho careta que não espumasse de alegria com a iniciativa privada. Todos queriam que fossem as leis do mercado a regular tudo. A saúde não fugia à voragem.

Assim conseguiram as seguradoras uma boa parte do seu negócio. Mas...

Já começam a vir a lume as vantagens do negócio: "qualidade duvidosa" dos tratamentos; "materiais de menor qualidade e sobretratamento"; constrangimento dos médicos.

O alerta vem do bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva: com montantes que não chegam para cobrir todos os custos de uma consulta, há dentistas que começam a recorrer "a expedientes inaceitáveis em termos éticos, deontológicos e, sobretudo, em termos de qualidade", com elevados riscos para a saúde pública, nomeadamente no que diz respeito à transmissão de doenças.

1 comentário:

Jorge C. Reis disse...

Vim aqui a partir do site do Público, até porque também opinei sobre este assunto no meu blog.
Eu vejo o problema de outra forma e reprovo completamente a atitude do Bastonário da Ordem dos Dentistas.
Ele tem o poder para acabar com este estado de coisas que, incrivelmente, ele vem denunciar, como se fosse Pilatos, lavando daí as suas mãos.
Primeiro estão as Boas Práticas e ele é o primeiro responsável pela sua avaliação e pela eventual punição dos infractores.
Depois pode falar nos míseros contratos que eles aceitam porque querem.
É óbvio que as Seguradoras só pensam em lucros, mas isso não é desculpa para as práticas que o tal Senhor Bastonário dos Dentistas denuncia.
Eu sou médico (não dentista) e sempre lhe digo, que isto era impensável por parte do Bastonário da Ordem dos Médicos.
E fica o perigo de estas coisas se generalizarem e os mais incautos pensarem que isto se passa com TODA a medicina portuguesa.
Desculpe o desabafo.
Abraço e parabéns pelo blog.
Jorge