14 outubro 2009

Cambalhotas e piruetas



O homem, que passa a vida queixar-se de que a sua obra literária não é apreciada e que sempre revela um baixo sentido de humor, sai agora em defesa de Maitê Proença. E chama aos seus compatriotas saloios e provincianos. Porque o faz? Por ressentimento, claro. Como disse há tempos, "estou muito zangado com Portugal." E a suposta zanga é tanta que dizia querer emigrar para... o Brasil. Porque não emigrou ainda? Será porque o plim lhe é dado pelos seus compatriotas?
Miguel Sousa Tavares, que passa a vida a fazer pastiche de discursos que abundaram em Portugal no século XIX, tem-se na conta de muito bom. Muito bom em quê? A vender livros? Mas isso faz dele um autor ou apenas um vendedor? Qualquer figura televisiva vende muitos livros. Isso apenas mostra que ele é um privilegiado. E como quase todos os privilegiados tugas o seu comportamento público reflecte tiques e afectações de gente "bem": parecem padres a pregar uma moral que na prática desdenham e não cumprem.
Quanto a Maitê, viu-se obrigada a gravar um pedido público de desculpas.

2 comentários:

Tiago R. disse...

Subscrevo a 100%!

ERNÂNI disse...

Meu caro, essa Maitê é uma fumadora de maconha. Fumou tanto quando jovem que o juizo lhe saiu pela piriquita!!!!!